Quem segue os preceitos da Doutrina Espírita sabe que uma das referências dessa linha de pensamento religiosa é, e não foi, o decodificador Alan Kardec. Propositalmente conjugamos o verbo ser no presente, pois até hoje a obra do francês continua sendo estudada e admirada aqui no Brasil, na França e em todas as partes desse mundo.

Embora Kardec tenha nascido em Lyon, aos 03 de Outubro de 1804, é em Paris que o seu legado pode ser visitado. Para começar, vá até o prédio de apartamentos localizado no número 8 da Rue des Martyrs. Foi lá que Kardec descodificou sua primeira obra, intitulada “O livro dos espíritos”, em 1857. Também naquele local o estudioso realizava reuniões para aproximadamente 20 pessoas.  

Ainda na cidade Luz, outro importante endereço dessa história é a Rue de la Harpe. Foi naquele local que Kardec se estabeleceu aos 18 anos, em 1822, logo após terminar os estudos na área de pedagogia, em Yverdon, na Suíça. Já a Rue de Sévres abrigou, entre os anos de 1826 e 1834, o Instituto Técnico Rivail. A casa foi fundado pelo próprio  Denizard Hippolyte Léon Rivall, o nome de batismo de Kardec, e sua esposa, Amélie Gabrielle Boudet, no número 35. Os dois também residiam na estrutura.  

Cemitério Père-Lachaise, onde estão os restos
mortais de Kardec, é uma atração imperdível

Cada vez mais imerso na espiritualidade, foi na Palais Royal, em seus edifícios, no mês de abril de 1858, que Kardec fundou a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas (SPEE). Durante dois anos, em caráter provisório, as atividades foram realizadas nas galerias Valois e Montpensier. Da Palais Royal, a SPEE migrou para o número 59 da Rue Sainte Anne, em 1860. Ainda naquele local, Kardec passou a estabelecer residência e o escritório da Revista Espírita.

A outra redação da publicação periódica foi estabelecida na Rue de Lille, pra onde se mudou em 1869. A edificação também é conhecida por ter sido o local onde Kardec desencarnou, em março de 1869, quando preparava o ambiente para a mudança.  

Por fim, conheça o cemitério onde estão os restos mortais de Denizard. É no Père-Lachaise, que atrai, todos os anos, três milhões de turistas. Quando lá chegar, procure se informar sobre o local exato do túmulo. São 70 mil sepulturas naquele que ganhou o título de “Sítio Histórico e Paisagístico”. No Père-Lachaise também estão os corpos do escritor e poeta Oscar Wilde e do compositor Frédéric Chopin.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui